COMPARTILHE

Sobre o título: Citação da última entrevista cedida pelo escritor e poeta portenho Jorge Luis Borges, realizada alguns meses antes de sua morte ocorrida em 14 de junho de 1986, o mesmo sofria de cegueira desde 1956.

 Escrever sobre determinada cena literária sem ressaltar o indiscutível papel que as livrarias desempenham para a disseminação das obras é uma tarefa impossível. Na capital portenha, difundidas pelas “calles” da cidade, as mesmas atraem diariamente inúmeros interessados na busca de um ambiente para relaxar, saborear um bom café e ler.

Compreendo que já é perceptível que esta primeira publicação da coluna trata-se de um artigo pautado nas livrarias portenhas. Nesse sentido, objetivou-se a recomendação de três espaços para visitação, selecionados sob o quesito de que as sugestões abordassem propostas distintas em relação ao público alvo e ao acervo bibliográfico. E que as mesmas tivessem um foco pautado em um tema previamente definido e não uma temática tão ampla (por exemplo: 1001 Filmes Para Ver Antes de Morrer é um bom livro para se conhecer inúmeros filmes e diretores, sendo encontrado na grande maioria das livrarias, mas não é esse o caso nem o objetivo de nenhum dos lugares que serão abordadas). Igualmente, nesta publicação estendem-se para, além da visitação, a aquisições de livros, degustação de café, empanadas, medialunas, etc. Rememorando que a coluna Buenos Aires Além do Óbvio não tem (e nunca terá) a pretensão de qualificar os espaços referenciados.

Contudo, antes de adentrar propriamente nas três indicações, visa-se destacar primeiro a mundialmente renomada e a mais famosa livraria de Buenos Aires, El Ateneo (julgou-se como injusto uma publicação acerca das livrarias da cidade e não fazer ao menos uma referência ao local, mesmo que esta soasse algo como “Buenos Aires Somente o Óbvio”).

Foto 02 - ElAteneo - Buenos Aires
El Ateneo Grand Splendid, Av. Santa Fé 1860
Foto: Cementerio de Ideas Perdidas

Localizada no antigo prédio do cine teatro Gran Splendid, a livraria apresenta a arquitetura onipotente derivada do período histórico de sua construção, em 1919. Contando com um acervo de mais de 120 mil livros, um bar e um café, este último situado no palco do antigo teatro. Indiscutivelmente, um ponto turístico da capital de visita obrigatório (seja pelo acervo bibliográfico ou pela ornamentação arquitetônica da primeira metade do século XX).

Entretanto, pelas ruas de Buenos Aires não se encontram somente livrarias de dimensões arquitetônicas tão expressivas como El Ateneo. E, mesmo propondo a recomendação de mais três livrarias da cidade, compreende-se que estas representam somente uma pequena parcial da cena local (somente na capital portenha existem mais de 600 livrarias). Outro ponto que prende a atenção é o caráter cosmopolita das livrarias portenhas, sendo possível, em qualquer estabelecimento, por menor que seja, sempre encontrar volumes de autores de distintas nacionalidades. Enfim, sem mais procrastinações, as indicações:

Rayo Rojo Librería – Quadrinhos, Fotografia e Artes Plásticas

Rayo Rojo Librería, Av. Santa Fé 1670, Local 21/23
Rayo Rojo Librería, Av. Santa Fé 1670, Local 21/23

Especializada em quadrinhos, fotografia e artes plásticas e visuais a Rayo Rojo Librería é um exemplo daqueles locais onde se encontra um material de extrema qualidade em um espaço físico relativamente pequeno. Situada dentro da famosa galeria portenha Bond Street, a mesma exibe uma abundância de volumes em inglês e espanhol de grandes clássicos dos quadrinhos underground e da contracultura como Robert Crumb (gênio absoluto), Gilbert Shelton e Vaughn Bodé, bem como uma expressiva quantidade de material de quadrinistas argentinos. Em âmbito nacional destaca-se o material produzido por autores como Liniers, Kioskerman, Juan Sáenz Valiente e Lautaro Ortiz. Podendo encontrar ainda muitos fanzines argentinos produzidos com tiragens limitadas (estes em grande maioria raríssimos e algumas vezes apenas disponíveis neste local).

Rayo Rojo Librería, Av. Santa Fé 1670, Local 21/23
Rayo Rojo Librería, Av. Santa Fé 1670, Local 21/23

Na questão relacionada à fotografia, artes plásticas e ilustração é possível encontrar muito material importado ao exemplo de livros do fotógrafo de moda alemão Helmut Newton, do artista norte-americano Mark Ryden ou compilações de ilustração do cineasta Tim Burton, entre outros. Deste modo, a partir destes meros exemplos já se pode perceber que para alguém que seja amante das artes de modo geral torna-se uma difícil tarefa se controlar na hora das compras na Rayo Rojo Librería. No entanto, os livros e os quadrinhos geralmente variam o valor dependendo se é importado ou nacional, mas garimpando se encontra raridades a bons preços no local.

Libro Film – cinema e biografias

Foto 05 - LibroFilm - Buenos Aires
Libro Film, Av. Corrientes 1145, Local 13

Livraria indicada para os amantes e estudantes da sétima arte. A Libro Film existe desde 1988 na cidade e conta com uma gama imensa de livros sobre a temática, que vão desde biografias de Stanley Kubrick, Federico Fellini e Godard até livros técnicos para profissionais e entusiastas da área.

Além disso, o local conta com um catálogo expressivo que aborda diretores ou mesmo temáticas e filmes oriundos do cinema argentino. Igualmente estão à venda alguns livros acerca de expoentes do cinema brasileiro como Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos, Walter Salles e Fernando Meirelles. No geral, apresenta preços acessíveis, sendo possível garimpar algumas particularidades encontradas somente em um local especializado no assunto.

Foto 06 - LibroFilm - Buenos Aires
Libro Film, Av. Corrientes 1145, Local 13

Eterna Cadencia – literatura e ciências humanas e sociais

Foto 07 - EternaCadencia - Buenos Aires
Eterna Cadencia, Honduras 5574.

Esta livraria em relação às outras duas supracitadas possui um perfil de público mais amplo. Todavia, tem um estoque significativo de livros alternativos, possui um excelente café e serve almoço a um preço justo.

Na questão ornamentação o local se destaca por possuir uma decoração semelhante às antigas livrarias da metade do século passado. Além de possuir um pátio bem convidativo para que o visitante fique sentado horas lendo sem se preocupar com o tempo. Diferente de algumas livrarias tradicionais os livros geralmente ficam desordenados e em cima das mesas, dando um ar mais intimista ao local. Os preços dos livros variam dependendo da obra e do autor, mas os títulos aos quais são produzidos pela própria livraria, que também é uma editora, geralmente são bem acessíveis.

Eterna Cadencia, Honduras 5574
Eterna Cadencia, Honduras 5574

Ainda, em 2012 a Eterna Cadencia lançou o projeto denominado “El libro que no puede esperar”, que se trata de um livro embalado a vácuo que depois que a tinta estabelece contato com o ar posterior a 60 dias tem suas páginas apagadas. O conceito do projeto é genial e foca nos escritores latino-americanos da atualidade. Enfim, para que um escritor torne-se conceituado este primeiramente precisa ser lido e nesse caso os escritores contemporâneos são os mais prejudicados com a falta de leitura. Afinal, Kafka já é Kafka, se você não quiser lê-lo à responsabilidade é sua, mas seus livros permanecerão.

As particularidades e especificidades dos espaços recomendados (e outros tantos não referenciados, mas igualmente indicados à visitação como Libros del Pasaje, La Biblioteca Café, Clasica y Moderna, Dain Usina Cultural…) naturalmente expõem a intensidade da múltipla expressão da cena cultural portenha no quesito livrarias. Algumas vezes objetivando um público underground ou específico, no entanto fiel.

Não compreendendo, por exemplo, que “ter cultura” (como alguns indivíduos infelizmente ainda pensam) seria apreciar um livro que se utiliza de uma linguagem erudita de difícil acesso ou mesmo assistir uma peça renomada no Teatro Colón em Buenos Aires, mas sim, que estas fazem parte unicamente da vasta gama que compõem o campo cultural, tratando-se apenas de representações simbólicas em meio a outras tantas e não da cultura em si.

Por fim, ao final de cada artigo serão sugeridas algumas músicas de distintos artistas portenhos os quais (se possível) estabeleçam alguma relação entre os temas e o assunto da publicação. Nesse sentido, creio que inúmeras pessoas apreciam a experiência de ler ouvindo música, sendo que na maioria das vezes (ao menos no meu caso) determinado perfil sonoro aguça a concentração da leitura, e algumas vezes ocasionam um completo desligamento da “realidade” e uma plena imersão na obra que está sendo lida.

Ulises Conti – El Forasteiro

Bandcamp: http://ulisesconti.bandcamp.com/

Los Hermanos McKenzie – Baile Fantasmal

Bandcamp: http://loshermanosmckenzie.bandcamp.com/

Springlizard – Dreams Of The Wolf

Bandcamp: http://springlizard.bandcamp.com/

Hasta Luego!

Augusto Pereira

Acompanhe também a coluna Buenos Aires Além do Óbvio pelo Instagram. Siga lá: instagram.com/buenosairesalemdoobvio.

Gostou do que viu aqui?

Todo sábado enviamos um e-mail com os artigos da semana. Entre em nossa lista:

Augusto Pereira

Colecionista. Estudante do curso de História da Universidade de Passo Fundo (UPF) e Universidad Nacional de Tres de Febrero (UNTREF). Pesquisador na linha de História Cultural da América Latina.