Ilustração

‘Do Inferno’, a história de ‘Jack, O Estripador’ contada por Alan Moore ganha edição de luxo

O livro ainda traz as notas originais de Moore. Nelas, o leitor pode observar os trechos que são puramente ficção e os que possuem base histórica de acordo com suas pesquisas.

Designer cria cartazes para cada um dos 62 episódios de Breaking Bad

O designer húngaro Zsutti, fã da série, dedicou cinco meses de trabalho para criar um cartaz para cada episódio de Breaking Bad. Confira o resultado.

V de Vingança e o movimento Occupy

O movimento Occupy, que buscou inspiração no herói de "V", serve como base para uma HQ com narrativas e ensaios ilustrados de grandes nomes da indústria – e os lucros vão para o movimento.

Maomé: “É difícil ser amado por idiotas!”

O massacre no escritório do semanário francês Charlie Hebdo deixou um luto na liberdade de expressão. O atentado deixou 12 mortos, sendo 4 cartunistas. Ficou evidente que na tentativa de silenciá-los, os terroristas acabaram por amplificar suas vozes. Deve ser difícil ser amado por idiotas.

Desmistificando o racismo de Charlie Hebdo

A charge circula pelas redes como prova inconteste do racismo de Charb (editor de Charlie Hebdo). Nada mais falso e descontextualizado. Trata-se, na verdade, de uma charge anti-racista. Confuso? Explico.

Grafitando Hellboy

Hellboy grafitado pelo artista britânico Dose, da cidade de Tunbridge Wells, Inglaterra.

Como seriam as casas de diretores do cinema se elas fossem baseadas em seus próprios filmes

O ilustrador Federico Babina adora demonstrar sua fissura e paixão por três artes em comum: ilustração, cinema e arquitetura. Dessa vez, o italiano imaginou como seriam as casas de icônicos diretores de cinema se elas fossem baseadas em suas obras.

Na década de 70, O Pasquim quase teve um destino parecido com o Charlie Hebdo

O jornal mais ácido e incisivo que a imprensa brasileira já conheceu não existe mais, mas poderia ter existido menos ainda. Foi na madrugada de 12 de março de 1970, quando três integrantes do 'Grupo Secreto' jogaram uma bomba nos escritórios d'O Pasquim.

Um manifesto gráfico contra a sociedade do automóvel

Levando a linguagem dos quadrinhos a um desenvolvimento inédito, o livro é uma experiência estética e um mergulho na loucura consumista, suicida e assassina da sociedade industrial.