COMPARTILHE

Um leitor mais observador notou que o título está invertido. Esse título traduz um sentimento totalmente contra-movimento do RAP como música, tendo influências e buscando as melhores referências, tendo como principal objetivo ser um movimento de revolta, indo na contra mão da lógica do som pelo som, não sendo apenas ritmo e poesia, mas fazendo com maestria a revolta contra a abolição da escravidão do pensamento. Indo com a ginga e flow necessários para fazer um som que chegue no ouvido e bata, entre e se concentre na parte do seu cérebro responsável por não se apodrecer.

O RAP não diferente de outros ritmos surgidos do gueto, tem forte influência vinda do Blues e do Funk. Sendo espalhado também no meio das favelas e pontos de droga nos bairros pobres dos Estados Unidos, a música se misturou com ritmos de Jamaicanos e Afro-americanos que por ali viviam, sendo uma mistura de ritmo única se baseando em suas referências.

“Rap é uma faculdade, o conhecimento de RAP é infinito”
(Mano Brown)

Quem tem um contato mínimo com o mundo da música brasileira, imagina que estou falando sobre o Criolo ao falar de referências do funk e do jazz. Sim, Criolo revolucionou o estilo de música, marcando a mesma com instrumentos totalmente inovadores, tendo um DJ e uma banda acompanhando o MC, fazendo uma renovação por completo no ritmo e ainda mantendo a ideia de revolta que o mesmo traz dentro de suas letras, desde a época de extremo sul.

Mas é complicado imaginar um Rapper do extremo Sul de São Paulo, iniciando um movimento que procura fugir de todos os padrões, colocar o que mais se vê na TV, grupos com guitarras e bandas, já colocar o movimento de uma forma tão imponente assim em um lugar onde a música negra impera com o samba e a percussão.

O preconceito fala que é difícil exigir deste mesmo pobre que ele tivesse contato com cultura e referências de cultura musical. É difícil acreditar que em 1987 em meio as vielas da cidade de São Paulo se poderia ouvir um remake da música de Chubb Rock pela voz de Ndee Naldinho, prometendo um ‘Rap samba rock’. Difícil acreditar que em entrevista Sabotage falasse da mistura de um Eminem lá fora com um Chico Buarque aqui dentro, ver Sabotage se declarando tantas vezes para a música “Construção”, dizendo que aquela era sua música favorita.

“Inspiração é 10%, o resto é transpiração e dedicação”
(Mano Brown)

‘Mas Sabotage era um rapper a frente de seu tempo, se foi, atrasou um Rap em evolução eminente e agora a cena musical tem muito o que correr atrás.’ Ao contrário do que se crítica no RAP, que seja apenas um barulho feito para promulgar a violência. Em 1991, Racionais criou um “Holocausto urbano” e fez com que quatro estilos diferentes se misturassem de diversas formas, para diversos gostos e objetivos, fazendo com que a referência e a rima se sobressaíssem a qualquer preconceito e fosse impossível se ignorar a qualidade musical, mesmo quem tinha ouvidos feitos para ignorar estilos musicais feitos com tanta classe e revolta, teve que aguentar a pancada.

Mas o sobressalto musical, que buscou sempre as referências que mais rebuscam ao princípio do ritmo é o DJ do grupo: KL Jay. Fã do Jazz, sempre deixou claro nas suas batidas que busca ter como referência os grandes, fez do seu dom um treino, e elevou seu ouvido a um ponto que consegue produzir misturando estilos musicais de classe em diversos estilos.

A busca de produzir música com efeito de revolta, com a qualidade e referências músicas que aumentem esse refinamento, para que a música seja bem ouvida e interpretada juntamente com a mensagem, é o objetivo do estilo musical.

Por ter vindo da quebrada, representar a luta de quem tem pouco para chegar longe, a luta não se faz com instrumentos fracos. Ter referências, buscar ouvir músicas e ter cultura para chegar longe é algo complicado para o favelado, portanto quando chega a ascensão em um meio, é porque foi feito com muito esforço. Só quem conhece essa realidade sabe o quanto é duro sair do nada para representar milhares em cima do palco.

Discoteca Básica de alguns rappers influentes nacionalmente:

Racionais falando sobre suas influências:

Ed Motta e Kl Jay homenageando Stevie Wonder:

Gostou do que viu aqui?

Todo sábado enviamos um e-mail com os artigos da semana. Entre em nossa lista:

Gustavo Silva

Gustavo Silva

Projeto de publicitário e de redator, de ouvido e olhos sempre atentos.
Gustavo Silva
COMPARTILHE