COMPARTILHE
Noel Gallagher - Chasing Yesterday

Desde que os Oasis se separaram, em 2009, a cada declaração de Noel ou Liam Gallagher o que todo mundo espera ouvir é algo sobre o retorno da banda. O que não deve acontecer se não for por vários milhões de dólares, como Noel já declarou. Porém, algo muito parecido com a sonoridade da banda voltou a tocar no mundo.

Quase seis anos após a dissolução, o líder criativo dos Oasis volta a ser protagonista em seu segundo álbum solo, Chasing Yesterday, o disco com mais hits e mais parecido com a maior banda de britpop do planeta (dê o play abaixo):

Nesses últimos anos, Noel Gallagher vazou da banda e iniciou sua carreira solo, um sonho antigo. No primeiro álbum de sua nova banda – tão sua que carrega seu próprio nome, a Noel Gallagher’s High Flying Birds – o músico foi devagar. Acho um baita álbum, mas ainda parece ser um pouco meio ressaca, um pouco “esse é só o recomeço, um baita recomeço, mas as coisas vão melhorar”. Quando você está sozinho, sem a sua banda, você geralmente faz algo mais intimista, mais pessoal e despreocupado. Foi o que aconteceu.

Em contrapartida, o resto da banda, liderada pelo irmão Liam, montou o Beady Eye e fez dois álbuns que particularmente eu acho sensacionais. Different Gear, Still Speeding mostrou um Oasis ainda mais rock’n’roll, enquanto BE, apesar de ser impossível não associar a voz de Liam ao antigo grupo, mostrou uma banda mais autoral, psicodélica e madura, mas sem o apelo radiofônico que fez com que o Oasis explodisse mundo afora.

BE foi um dos melhores álbuns de 2013 e um dos que eu mais ouvi. É um álbum foda. A banda estava tão no auge que roubou Jay Mehler, guitarrista do Kasabian, para ser o novo baixista. Mas não emplacou, e somado a acidentes que o guitarrista Gem Archer sofreu logo após o lançamento do disco, a banda acabou. Que merda! Nesse momento todo fã de Oasis pensou: “agora vai”. Mas não foi e não sei sinceramente se um dia irá.

O que me deixou feliz, porém, foi ouvir Chasing Yesterday. A primeira audição eu achei o mais fraco dos 4 álbuns citados. Com o tempo mudei, e após ouvir cerca de 15 vezes reformulei minha opinião e achei o melhor de todos. A cada audição o álbum melhora e é isso que faz com que um disco seja do caralho.

Noel Gallagher - Chasing Yesterday - Capa

O nome do disco já entrega a proposta. Algo como ‘perseguindo o ontem’. As dez músicas que Noel Gallagher escolheu para o álbum não soam estranhas pra quem já acompanha sua carreira. E é exatamente nisso que ele acerta. Noel é ótimo em fazer baladas, em fazer hits, em fazer refrões grudentos e radiofônicos.

Há as baladas como Riverman, The Girl With X-Ray Eyes e The Dying Of The Light, qualquer uma com capacidade de estourar nas rádios. A antiga Lock All The Doors, composta em 1992 – e por isso tem aquela sonoridade um pouco Definitely Maybe (ouça abaixo a versão original):

Temos também as viajonas The Right Stuff e While The Song Remains The Saime, que lembram a fase final do Oasis, pós-Don’t Believe The Truth. E, por fim, pra não ficar tão preso no passado, as animadas Ballad Of The Mighty I e In The Heat Of The Moment, que lembram muito a maravilhosa AKA…What a Life, do primeiro álbum solo, a empolgante You Know We Can’t Go Back e a dançante e suingada The Mexican, uma das minhas preferidas.

No momento em que vivemos, Noel Gallagher deverá saber que jamais irá compor mais uma Don’t Look Back in Anger ou Wonderwall. É o preço que o artista paga por ter criado verdadeiros hinos. Mas isso não significa que ele não continue sendo um dos melhores compositores da atualidade.

Chasing Yesterday está em minha cabeça desde o lançamento. Não tem como imaginar se é um disco que vai fazer muito barulho, popular e comercialmente falando. Em tempos em que Ed Sheeran e Sam Smith são os grandes nomes da música britânica, fica meio arriscado prever algo.

Se o álbum tivesse sido gravado com os vocais de Liam Gallagher poderia até ser considerado como o novo álbum do Oasis. E é por isso que me empolguei e que Chasing Yesterday se tornou meu álbum preferido dos Oasis pós-Oasis.

Gostou do que viu aqui?

Todo sábado enviamos um e-mail com os artigos da semana. Entre em nossa lista:

  • Douglas Moreira

    O álbum é sensacional, mas tive a mesma impressão ao ouvir na primeira vez. Depois fui mudando de opinião ao ouvir outras vezes, e “The Mexican” encabeça minhas playlists, seja no celular, no PC, ou no carro, seguido de “Lock All The Doors”, e a versão de estúdio de “Freaky Teeth”. Uma pena que ainda não consegui comprar o cd físico, nem em lojas online tenho achado.