COMPARTILHE

Quantas vezes tentei olhar pela janela de meu apartamento e nada encontrei além de mais janelas. Já tentei, assim como James Stewart em Janela Indiscreta, olhar os vizinhos e encontrar algo de interessante. Nunca encontrei. Acharia muito mais válido poder enxergar o sol plenamente. Onde vivo o enxergo, com alguns obstáculos, quando nasce. Porém não o enxergo quando se põe. Tem noites que vejo as pessoas da minha timeline do facebook ou do twitter dizendo que a lua está linda, ou que está enorme, ou que está amarela, ou o que for. Algumas horas da noite eu não enxergo aonde está a lua, pois há concreto em minha frente.

Essa crônica de Rubem Braga, encontrada no livro Ai de ti, Copabacana, fala exatamente sobre isso. A visão que as novas construções nos roubam. Se você mora em um corredor de edifícios, pode ser que se identifique com o texto abaixo.

Homenagem ao Sr. Bezerra

O Incorporoador é um Sr. Bezerra. Não chega a ser um bonito nome, é verdade, mas para mim é simpático, pois conheci vários cidadãos agradáveis com esse nome, quase todos do Nordeste, especialmente do Rio Grande do Norte – os Bezerra Dantas, por exemplo. A idéia fundamental do Sr. Bezerra parece ter sido esta: tirar a minha vista do mar. Imagino que o Sr. Bezerra seja meu leitor e notou que muitas vezes começo minhas crônicas falando do mar que vejo de minha varanda; é verde aqui, azul ali, nordeste semeando espumas, o raivoso e frio sudoeste, e barcos passando, e o farol da ilha e não sei mais o que – e o Sr. Bezerra se encheu. Imaginou então construir um edifício bastante largo e alto para me tapar a paisagem e o assunto. Deve ter gasto um bom dinheiro para prestar esse grande serviço às letras nacionais, pois na esquina da praia havia uma sólida casa revestida de pedras e rodeada de um parque. Uma grande equipe de trabalhadores desmantelou a casa e cortou as árvores, inclusive um belo pé de magnólia e um casal de pinheiros que há muitos anos faziam parte de minha paisagem. Sim, era alguma coisa minha que eles estavam derrubando – mas o advogado me disse que a lei não reconhece esse direito de propriedade visual e sentimental.

Erguido um grande tapume – onde seu nome brilha em uma tabuleta na qualidade de incorporardor – o Sr. Bezerra mandou fazer um imenso buraco, cavando a terra e a areia, para as fundações. Depois não sei o que aconteceu, com certeza alguma dificuldade de financiamento; sei que os operários se foram, ficando apenas um melancólico vigia, cuja função é olhar com tristeza aquele buraco.

Toda manhã, quando vou à praia, vejo o nome do Sr. Bezerra na tabuleta – e fico a imaginar com certa delícia que deve ser um senhor de meia-idade, muito bem-falante e de sotaque potiguar, que prometeu entregar o edifício prontinho em tantos meses e agora coça a cabeça e dá desculpas, falando em Banco, na Caixa, no Instituto, que faltam certas formalidades, houve dificuldades imprevisíveis, de qualquer modo ele desejava evitar um reajustamento, aliás acredita que, no mês próximo, as obras poderão ser reiniciadas, o senhor compreende a culpa é dessa política estúpida do governo, etc., etc..

Dois outros edifícios iniciados muito antes já estão quase prontos, mas o prédio do Sr. Bezerra é apenas um sonho pairando sobre um buraco. À medida que as outras obras progridem, o Sr. Bezerra deve coçar a cabeça com mais raiva, o que estimo sinceramente. Há casos de obras que ficam paradas anos e anos, e esse pensamento me parece encantador. É verdade que no caso do Sr. Bezerra ainda não se pode falar propriamente em obras, mas em desobras, pois ele não fez nada, só desfez. Talvez o Sr. Bezerra passe à história como um emérito construtor de buracos, título a que vários estadistas nossos fazem jus.

Enfim, enquanto o Sr. Bezerra estiver mal, tudo irá bem. Ele me roubou as árvores, mas me deixou um pedaço de mar com brisa e ondas. Os cavalheiros que entraram com o dinheiro adiantado para ter um apartamento devem estar com raiva do Sr. Bezerra; eu, entretanto, desejo de todo coração ao Sr. Bezerra uma excelente saúde, muitas alegrias, bons vinhos e boas mulheres – e um encalacramento financeiro prolongado e sutil, que entretenha com fúteis esperanças, anos a fio, o coração dos ex-futuros condôminos.

Um encalacramento que se prolongue através dos tempos e se torne tão crônico e dramático que acabará comovendo a todos, e só terminará no dia em que o Sr. Bezerra for enterrado (homenagem especial) no buraco enorme que ele abriu ali na esquina.

 Rio, maio, 1958.

 

Rubem Braga. Ai de Ti, Copacabana. Editora Record, 1996. 14ª edição.

Siga La Parola:

http://facebook.com/LaParolaOnline
http://twitter.com/LaParolaOnline 

Gostou do que viu aqui?

Todo sábado enviamos um e-mail com os artigos da semana. Entre em nossa lista:

Flaubi Farias

Jornalista, parolo, navegador, alienígena e editor do La Parola.
COMPARTILHE